Arquivo da tag: Uruguai

Melhor centroavante da Copa é uruguaio. Goleiro revelação também. E são o mesmo jogador!

[Note do editor]: No dia em que o Uruguai enfrentará a Holanda num jogo que esperamos seja tão épico como foi o confronto com Gana, publicamos uma colaboração do grande amigo Antônio Madalena, popularmente conhecido como Tom. Como o texto condiz perfeitamente com o espírito do Golpe de Cabeça, chegamos ao cúmulo de aceitar a colaboração de um gremista para um blog de colorados. Esperamos que nossos cinco leitores gostem!

Maneira correta de comemorar gols

Suárez, o centroavante uruguaio é disparado o melhor centroavante da Copa. Essa história de melhor é sempre discutível. Mas nesse caso os fatos ultrapassam toda possibilidade de discussão. E também aquela história de goleador da Copa não quer dizer nada. É só estatística.

Um centroavante deve fazer gols. Não se exige que seja sempre, a toda hora. Basta uma certa constância, a que se dá o nome de regularidade, e que esse padrão seja pontuado por gols importantes, decisivos. E Suárez fez gols decisivos, sobretudo o que levou nosso querido país vizinho das oitavas para as quartas.

Quartas de final contra o bom time de Gana, o que se esperava? Óbvio. Gols de Suárez. E é aí que Suárez se supera. Ele se revela o goleiro da Copa. Com duas rodadas antes da final. De forma decisiva e resoluta, como deve ser para um herói, nesses tempos de mais ou menos e muita enganação, Suarez defende duas vezes. Afinal, na primeira defesa, por um vício de centroavante, ele deu um chute na bola. Esqueceu que estava na sua área e que tinha um monte de ganenses loucos e sedentos para pegar a Jabulani de jeito. Pois um pegou e já contava com o gol quando Suárez, inabalável, resoluto, estende a mão e faz uma defesa sensacional, no alto, quase junto ao poste superior. Uma bola verdadeiramente difícil! Dificílima. A mais sensacional defesa da Copa, embora duvide que a FIFA vá colocá-la no filme oficial de 2010. O juiz, obediente às normas, expulsa Suarez, não permitindo que ele veja como testemunha plena o que acontece. É um Suárez ainda melancólico, caminhando para o vestiário, que ouve e vê pelo telão o que os deuses do futebol tinham reservado a ele.

E o que os Deuses do futebol (esses mesmos que fiéis à justiça mandaram o Brasil de volta para casa, para o bem do nosso futebol, diga-se) decretaram é que Suárez é o novo herói uruguaio. A merecer muitas homenagens, nome em escolas, estátuas ao lado de algumas do general Artigas… (Quem conhece o Uruguai sabe que nossos hermanos são dados a colocar o general e seu cavalo em quase que todas as praças. Bom, será divertido encontrar Suárez ao lado do general.)

Agora é torcer pela celeste. Torço muito pelo Uruguai. Bom, claro, depois de tudo isso, o leitor deve estar pensando que torço por vitórias espetaculares. Claro que não! Torço por pênaltis. Um zero a zero sofrido contra a Holanda está de bom tamanho. A Holanda pode até chutar umas bolas na trave. Mas, ao final da prorrogação, pênaltis. E aí, claro, Uruguai! Por favor, alguém lembre ao Loco Abreu para fazer diferente. E depois a Alemanha provavelmente. É até de lamentar, pois ninguém jogou futebol tão bonito nessa copa quanto eles… Mas fazer o quê… Com o Uruguai pela frente as coisas são diferentes… Ou, melhor dizendo, encardidas. As coisas são encardidas. Um 1×1 para dar alguma emoção aos 120 minutos regulamentares está de bom tamanho. Claro, a Alemanha saindo na frente logo de inácio, passando o jogo com mais duas, três chances de aumentar… essas coisas que tornam um bom jogo dramático. E aí, pelos trinta do segundo tempo, o empate em alguma bola chorada na área alemã. E vamos aos pênaltis para glória do Uruguai. Que assim seja, se os Deuses do futebol assim quiserem.

E, imaginem, o Uruguai voltando ao Brasil, depois de 50, como campeão do mundo!

Antônio Madalena
Amante do futebol arte, apesar de gremista!

Deixe um comentário

Arquivado em Esportes, Futebol

Muito mais que um jogo

Jugar a morir

A partida entre Uruguai e Gana, disputada neste sábado em Johannesburgo, entrará, sem qualquer sombra de dúvida, para a história das Copas do Mundo. Qualquer pessoa que tenha acompanhado ao menos os minutos finais do embate teve uma lição completa sobre as razões que fazem do futebol muito mais que um jogo. Os uruguaios, bicampeões do mundo, porém há anos enfrentando o ostracismo e a decadência, num certo sentido reflexo da estagnação econômica do país, contra a última seleção do continente africano ainda remanescente na competição. Atletas que, em sua maioria, não são protagonistas em seus clubes, apesar de há muito atuarem longe de seus países. Um confronto complicado, onde duas equipes conscientes de suas limitações as superam com garra e disposição comoventes. No primeiro tempo, o gol de Gana, num arremate longo de Muntari; no segundo, os uruguaios empatam com um tirambaço cheio de efeito de Forlán, somatório da qualidade do jogador com as loucuras da famigerada bola Jabulani. Um prorrogação onde o desgaste dos orientales aparentemente daria vantagem aos africanos, melhor preparados fisicamente. Todavia, quando se joga com o coração, todos os limites são superáveis: mais 30 minutos de um jogo parelho e combatido em todos os recantos do gramado. Aproxima-se o final do tempo extra e deixamos de presenciar uma partida de futebol, passando a assistir a história do esporte, bem em frente aos nossos olhos.

Falta duvidosa, nas proximidades da área uruguaia. Os ganenses jogam a pelota para o meio do tumulto, bate e rebate, o gol parece certo… Eis que Luis Suárez, jovem goleador celeste, num ato desesperado daqueles que sabem o significado da expressão jugar a morir, mete a mão na bola, tal qual um arqueiro, simplesmente porque não havia nada mais a fazer. A marcação do pênalti é corretíssima, assim como a expulsão. Trocou-se um gol pela esperança. Asamoah Gyan, o bom centroavante de Gana, possivelmente o melhor jogador africano na Copa 2010, tem a responsabilidade de marcar e colocar sua seleção nas semi-finais. Segundos intermináveis de tensão e silêncio. A bola explode na trave. Alguma das tantas câmeras espalhadas pelo estádio flagra Suárez, até poucos instantes cabisbaixo e desolado, vibrando como se houvesse marcado um gol. Sim, ele não marcou, mas deu à sua seleção, ao seu país, a oportunidade de continuar acreditando na classificação. Valeu a pena: na decisão por pênaltis, duas defesas do guarda-metas Muslera, sacramentadas pela absolutamente debochada “cavadinha” na cobrança do avante Loco Abreu, colocaram o Uruguai nas semifinais da Copa do Mundo pela primeira vez desde 1970.

O Uruguai, um pequeno país quase do tamanho do vizinho estado brasileiro do Rio Grande do Sul, mas com um terço da população deste. São apenas 3,5 milhões de pessoas, e talvez um outro tanto destas espalhado mundo afora, pois a economia estagnada e a falta de perspectivas de trabalho levam os uruguaios a migrar para a Argentina, para a Austrália, para o Brasil, para os EUA, para a Europa,… Uma nação orgulhosa de suas tradições, porém constrangida por raramente poder se postar ao lado dos “grandes do mundo”, uma vez que suas glórias esportivas e sua pujança econômica ficaram num passado que se torna cada vez mais distante. Pois bem, o Uruguai está nas semi-finais da Copa do Mundo, enquanto gigantes cujas seleções são formadas por alguns dos mais badalados jogadores do planeta, como França, Itália e Brasil, estão de fora. Quando acontecem coisas assim, ainda por cima numa partida que lembraremos por décadas a fio, percebemos que estamos lidando com algo que transcende a esfera puramente esportiva. Em dias como este compreendo melhor os motivos que me levaram a ter uma paixão tão grande por este negócio, e lamento, bastante, por aqueles que, em sua ânsia de lutar contra os “ópios” que supostamente cegariam o “povo”, não conseguem enxergar a beleza e a poesia de momentos como este.

O esporte, em si, dá lições todos os dias. O futebol, paixão mundial, faz um pouco mais do que isso. Quem conhece o Uruguai, mesmo quem já viveu lá, mal consegue imaginar a alegria que povo daquele pequeno país localizado no sul da América do Sul está vivendo neste momeno.

Ser testestemunha de uma partida como esta não tem preço. O jogo, sem dúvida, deixa claro que, na vida, quando se quer um objetivo, é preciso acreditar até o fim na possibilidade de obter sucesso, por mais pequena e difícil que esta seja. A lição é nunca desistir, nem quando o placar é um a um e se tem um pênalti contra aos 18 minutos do segundo tempo da prorrogação…

Isso é a Copa do Mundo, meus amigos. Nada mais importa.

Abraços,
Marcio Santos

– com a colaboração de Daniel Machado

A foto acima foi retirada do site do jornal argentino La Nación

Deixe um comentário

Arquivado em Esportes, Futebol

A chance de voltar a ser grande

 Morei no Uruguai muitos anos, o meu pai e uruguaio e um dos meus dois irmãos também. De Montevidéu lembro uma cidade diferente, em especial quando comparação com Palmas, no Tocantins. Há muitos anos não vou ao Uruguai.

Alias, hoje, eu sou casado, acabei de ver a minha querida filha nascer e a visita ao país vizinho (do RS, pelo menos) é apenas um plano sem data marcada. A distância, porém, nunca me afastou definitivamente do país, o qual eu tenho um grande apreço e, quem saiba, volte a morar.

O Uruguai é um país pequeno, com pouco mais de 3,5 milhões de habitantes. Mesmo assim, já foi um gigante do futebol. Duas vezes campeão do mundo (1930-1950), os uruguaios ainda tem dois títulos olímpicos. As grandes glórias, porém, estão muito no passado. Há muito tempo o Uruguai não faz boa Copa do Mundo. Inclusive, os celestes ficaram foram dos mundiais de 1994, de 1998 e de 2006. Para completar, em 2002 a vaga só veio na repescagem contra a Austrália. Hoje, 14 de outubro de 2009, a seleção uruguaia tem a chance histórica de dar um passa para voltar ao clube das grandes seleções.

Na sua casa, o estádio Centenário, em Montevidéu, a Celeste recebe a Argentina precisa de uma vitória simples para se garantir na Copa de 2010, na África do Sul. O palco ao poderia ser melhor, pois lá o Uruguai venceu sua primeira Copa, no já longínquo ano de 1930, exatamente contra a Argentina. Empate ou derrota podem deixar o Uruguai fora até mesmo da repescagem. Por isso, depois de tantas frustrações, tantos “azares”, tantas derrotas, a hora de vencer é agora.

Em 19950, o Uruguai levantou a taça

Em 19950, o Uruguai levantou a taça

O povo uruguaio ama o futebol. Juntos, seus dois principais clubes, Nacional e Peñarol, têm oito libertadores somadas e seis mundiais. Porém, há mais de 20 anos a população uruguaia sofre com dirigentes ruins, crise econômica e um futebol em decadência técnica. Isso faz com que as pessoas, aos poucos, se afastem e tenham menos apreço pelo futebol.

Porém, como o esporte sempre dá revanches, hoje o final pode ser diferente. O estádio estará completamente lotado. O Uruguai, hoje, tem a chance de voltar a ser respeitado e temido.

Abraços,
Daniel Machado

Deixe um comentário

Arquivado em Futebol, Geral